quinta-feira, 28 de julho de 2016

Um quase agosto

Fins de tarde gelados
Se sucedem, implacavelmente.
Ao menos o é céu limpo
Como um corte seco, cicatrizado sobre a pele.
Pensamentos conflituosos, emoções em desalinho,
Tantas direções a tomar
E o tempo que falta, meu Deus,
O tempo que falta, agora, é tão pouco...
Já é quase agosto
E hoje, propositalmente,
Eu me recuso a rimar.

Nenhum comentário: