terça-feira, 31 de março de 2009

O Fundo



Quando tu pensavas
Estares no fundo do poço,
Ingrata surpresa!
Ainda faltavam
O resto de teus anos para cair...

Carcinomas... Cárceres sem nomes...


O buraco à minha volta só aumenta
Enquanto tento me equilibrar
Em minhas frágeis pernas de acrobata...

A fumaça do cigarro
Que aparentemente se dissipa
Tatua meus pulmões de cânceres...

Ao fim, são só tumores, descaminhos
Vírus, desvios
Demências...

Deus, clemência!!!

E qual o sentido disso tudo?
Vida, por quê te quero?
Por tudo (ilusões?) que espero?

Uma viagem sem rumo
Em uma nau condenada
Em direção ao Inferno? Incerto...